A História do Cruzeiro

O Cruzeiro Esporte Clube, amplamente conhecido como Cruzeiro, é uma renomada associação polidesportiva brasileira, com sede em Belo Horizonte, Minas Gerais. Este clube é tido como um dos mais significativos no cenário do futebol brasileiro e sul-americano. Fundado originalmente em 1921 sob o nome de Società Sportiva Palestra Italia, o Cruzeiro passou por uma transformação de identidade em 1942, adotando seu nome atual. Esta mudança ocorreu devido a uma imposição do governo federal da época, que proibia a utilização de símbolos associados às nações do Eixo – Alemanha, Itália e Japão – em meio ao contexto da Segunda Guerra Mundial.

O clube se destaca por sua popularidade em todo o Brasil, possuindo atualmente a quinta maior base de torcedores do país e a maior no estado de Minas Gerais. O Atlético Mineiro se apresenta como seu maior adversário, formando um dos clássicos mais empolgantes do futebol brasileiro. Além disso, o Cruzeiro mantém uma rivalidade, em menor escala, com o América Mineiro.

No cenário do futebol nacional e internacional

No cenário do futebol, tanto nacional quanto internacional, o Cruzeiro é amplamente reconhecido. Foi vice-campeão da Copa Intercontinental de clubes por duas vezes e ostenta em seu palmarés continental dois títulos da Copa Libertadores da América, dois da Supercopa da Libertadores, além de conquistas na Recopa Sul-Americana, na Copa de Ouro Nicolás Leoz e na Copa Master da Supercopa. No contexto nacional, o time celeste possui quatro títulos do Campeonato Brasileiro – incluindo uma Taça Brasil – e seis da Copa do Brasil, sendo o atual recordista e único bicampeão consecutivo da competição. Em âmbito regional, destacou-se como bicampeão da Copa Sul-Minas e campeão da Copa Centro-Oeste, e a nível estadual, conta com 54 títulos.

Marcando história, o Cruzeiro foi a primeira equipe de Minas Gerais e a primeira do Brasil a conquistar a tríplice coroa nacional, alcançando um campeonato estadual, uma Copa do Brasil e um Campeonato Brasileiro em uma única temporada, a de 2003. Esse feito, contudo, foi igualado pelo seu rival, o Atlético, em 2021. Em 2009, a IFFHS divulgou um ranking que colocou o Cruzeiro como o melhor clube brasileiro do século XX, considerando dados estatísticos de 1901 a 2000. Posteriormente, em 2015, a Revista Placar destacou o Cruzeiro e o Internacional como líderes do ranking dos maiores campeões absolutos do Brasil, com o maior número de títulos oficiais no futebol brasileiro. Até outubro de 2023, o Cruzeiro figurava como o quarto colocado no somatório de títulos oficiais de abrangência nacional e internacional entre os clubes brasileiros de futebol, excluindo títulos estaduais e regionais.

Copa Libertadores da América

Cruzeiro Libertadores

Em termos de desempenho na Copa Libertadores da América, o Cruzeiro é o quinto clube brasileiro com o maior número de vitórias, totalizando 95. No Campeonato Brasileiro de Futebol, o clube registra 642 vitórias, ocupando a nona posição em termos de vitórias na história da competição, que soma os campeonatos de 1959 a 2019. Além disso, está em nono lugar no Ranking Histórico de Pontos. No Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro realizou a melhor campanha em seis ocasiões, participou de oito semifinais, quatro fases finais e quatro finais, conquistando cinco vice-campeonatos e quatro títulos.

Outros esportes

Além do futebol, o Cruzeiro também se destaca em outros esportes, como o vôlei. Em 2009, o clube firmou uma parceria com a Associação Social e Esportiva Sada para formar a equipe masculina de vôlei, o Sada Cruzeiro, uma das mais proeminentes do Brasil. Esta equipe é a única brasileira a conquistar o Campeonato Mundial de Clubes de Voleibol.

Os Primordios da História

Cruzeiro

Fundado em 2 de janeiro de 1921 por entusiastas esportivos da colônia italiana em Belo Horizonte, o Cruzeiro, inicialmente nomeado Società Sportiva Palestra Itália, refletiu a paixão e o orgulho de suas raízes. A escolha das cores do clube – verde, vermelho e branco – não foi coincidência, mas sim uma homenagem direta à bandeira italiana. Essa decisão estilística foi influenciada pelas ideias inovadoras do designer Arthur Lemmes, que operava na própria capital mineira. No ano seguinte, em 1922, o clube adquiriu um terreno da prefeitura, local onde hoje se situa o Parque Esportivo do Cruzeiro. Marcando um momento histórico, em 23 de setembro de 1923, o estádio no Barro Preto foi inaugurado, uma construção fruto do trabalho conjunto de jogadores e associados, muitos dos quais pertencentes à mesma colônia italiana, predominantemente composta por operários da construção civil.

A Comunidade italiana e classe trabalhadora da cidade

Além de sua forte ligação com a comunidade italiana, o Palestra se destacava por incluir em sua composição social elementos da classe trabalhadora da cidade. Entre seus membros, predominavam profissões variadas como pedreiros, policiais, pintores, comerciários, marceneiros, médicos, escritores, políticos, industriários e empresários, todos descendentes dos imigrantes que contribuíram para a construção de Belo Horizonte em 1894.

Inicialmente, o uniforme do clube era composto por uma camisa verde, calção branco e meias vermelhas. Notavelmente, até 1925, o clube manteve uma política restritiva, permitindo apenas a participação de membros da colônia italiana, geralmente de descendência branca. Contudo, essa limitação foi removida do estatuto do clube em 1925, abrindo as portas para colaboradores de todas as origens.

Confusão com o clube Yale

A respeito da confusão com o clube Yale, também fundado por descendentes de italianos em Belo Horizonte, é importante esclarecer que, apesar de sua existência anterior, o Yale não deu origem ao Palestra. Devido a uma crise interna e ao crescente sucesso do Palestra, muitos membros e jogadores do Yale migraram para o Palestra, levando à dissolução do Yale em 1925. Entre os clubes, foram registrados quatro jogos oficiais, todos parte do Campeonato da Cidade.

A ascensão do Palestra foi marcada pelo tricampeonato mineiro conquistado entre 1928 e 1930, com os dois últimos títulos sendo ganhos de forma invicta. Esse sucesso impulsionou a organização das outras grandes equipes da época, culminando na criação da primeira liga profissional do estado, a Associação Mineira de Esportes, em 1933.

Em uma reviravolta significativa em 1925, os associados do clube decidiram abolir a cláusula que restringia a participação de atletas de outras nacionalidades, transformando o Palestra em um clube mais inclusivo. Outra mudança relevante foi a alteração do nome para uma versão aportuguesada, Sociedade Sportiva Palestra Italia. Nereu, oriundo da colônia sírio-libanesa e jogador do Sírio Horizontino, foi o primeiro atleta de outra nacionalidade a ser acolhido pelo clube.

 Do Palestra Itália ao Cruzeiro Esporte Clube

Cruzeiro nascimento

No cenário da Segunda Guerra Mundial, após o Brasil declarar guerra aos países do Eixo, um Decreto-Lei presidencial proibiu o uso de denominações referentes a essas nações inimigas, incluindo Itália, Alemanha e Japão. Nesse contexto, a Societá Sportiva Palestra Itália transformou-se no Cruzeiro Esporte Clube em 1942, adotando o nome em homenagem à constelação do Cruzeiro do Sul, um símbolo patriótico brasileiro.

Já em 1936, um grupo de dirigentes e ex-atletas do Palestra, conhecido como Ala Renovadora, iniciou um movimento para nacionalizar o clube. Eles argumentavam que, tendo o clube evoluído para além de uma associação exclusivamente italiana, o nome Itália não se justificava mais. Apesar de resistências iniciais, a ideia ganhou força, propondo inicialmente a denominação “Renovadora Football Club” e alterando as cores para verde e branco, simbolizando a paz, em contraste com o vermelho anterior. Essa proposta foi brevemente experimentada, mas enfrentou oposição de uma ala conservadora na diretoria.

Com o avanço da guerra, em 30 de janeiro de 1942, o presidente Getúlio Vargas reforçou a proibição de termos ligados aos países do Eixo. Nesse contexto, na partida contra o Atlético-MG em 1 de fevereiro de 1942, o Palestra jogou com uma camisa azul e listras brancas, sem escudo ou nome. Em 4 de fevereiro, a diretoria adotou temporariamente o nome Palestra Mineiro, uma resposta à determinação presidencial. As novas cores remetiam ao Yale, em homenagem às origens do clube.

Consolidação do Cruzeiro

A consolidação do clube como uma entidade genuinamente brasileira aconteceu após outro Decreto-Lei em 31 de agosto de 1942. Em 2 de outubro do mesmo ano, uma reunião da diretoria propôs a mudança para Ypiranga, em celebração à Independência do Brasil. Porém, em 7 de outubro, uma nova assembleia decidiu pela adoção definitiva do nome Cruzeiro Esporte Clube, sugerido pelo ex-presidente Oswaldo Pinto Coelho. Essa mudança, no entanto, só se efetivou burocraticamente no início de 1943.

O uniforme azul, em homenagem à Casa de Saboia, simbolizava a conexão entre as duas pátrias, Brasil e Itália, refletida nos uniformes de ambas as seleções esportivas. Em 17 de dezembro de 1942, Mário Grosso foi eleito presidente do Cruzeiro, o primeiro sob o novo nome. A estreia do Cruzeiro sob esta denominação aconteceu no final de 1942, em uma partida contra o América, na qual saiu vitorioso por 1 x 0.

Construindo o Futuro

Cruzeiro tricampeonato

Na jornada para construir seu futuro, o Cruzeiro, nos seus primeiros anos, alcançou o tricampeonato mineiro de 1943 a 1945, um período marcado por significativas mudanças. O clube reformou seu estádio, que foi renomeado para Estádio Juscelino Kubitschek, uma homenagem ao então governador do estado. Além disso, realizou a construção de uma arquibancada coberta e reorientou a posição do campo. Contudo, essas melhorias e os investimentos no elenco levaram a uma crise financeira.

Diante da escassez de recursos, o Cruzeiro enfrentou a perda de seus principais jogadores. Em 1952, o clube viu-se obrigado a dispensar seu quadro profissional, promovendo os atletas juvenis e adotando um regime semi-amador. Para reequilibrar as finanças, o Cruzeiro encontrou uma solução inovadora: realizar amistosos por Minas Gerais em troca de cachês. Esses jogos, além de proporcionarem uma fonte de receita, ajudaram o clube a ampliar sua base de torcedores nas cidades do interior, solidificando sua posição como o mais popular de Minas.

A virada na sorte do Cruzeiro veio com a construção de sua sede social no Barro Preto, uma iniciativa que impulsionou a arrecadação do clube. Com as finanças estabilizadas, o Cruzeiro retomou sua grandeza no cenário futebolístico e formou o lendário esquadrão que conquistou o tricampeonato mineiro de 1959 a 1961.

Mineirão

Cruzeiro Mineirão

A inauguração do Mineirão em 1965 foi um marco para o futebol mineiro, quebrou a barreira provincial e inseriu Minas Gerais de maneira definitiva no cenário das competições nacionais.

O jogo inaugural no Mineirão, um clássico emocionante entre Atlético-MG e Cruzeiro, foi disputado na final do Campeonato Mineiro de 1965. Esse confronto, o primeiro entre eles no Mineirão e o primeiro após um episódio conturbado no Independência, foi carregado de tensão desde o início, com lances agressivos marcando a partida. O Cruzeiro liderava o placar por 1 a 0 quando, aos 34 minutos do segundo tempo, um pênalti cometido por Décio Teixeira em Wilson Almeida acendeu o estopim de um conflito. O Atlético-MG contestou a decisão, alegando que a falta ocorreu fora da área, desconsiderando que a linha é parte da grande área. A situação escalou com jogadores do Atlético-MG agredindo o árbitro e confrontando policiais, resultando em uma paralisação de 30 minutos e a expulsão de nove jogadores. O Atlético-MG acabou deixando o estádio antes do final da partida, e o Cruzeiro sagrou-se campeão mineiro, inaugurando com triunfo a Era Mineirão.

No Cenário Estadual

Nos anos seguintes, o Cruzeiro dominou o cenário estadual, conquistando o pentacampeonato mineiro de 1965 a 1969 e a Taça Brasil de 1966. Nesta última competição, destacou-se uma vitória memorável por 6 a 2 contra o Santos de Pelé, seguida de uma virada espetacular por 3 a 2 em São Paulo, selando a conquista.

O Mineirão, desde então, tem sido o cenário de grandes finais envolvendo clubes mineiros, como a Supercopa Libertadores (1991 e 1992), a Copa do Brasil (1993, 1996, 2000, 2003 e 2017), a Libertadores da América (1976 e 1997) e o Campeonato Brasileiro (1966). Esses eventos consolidaram o estádio como um palco icônico para o futebol mineiro e brasileiro.

Taça Brasil de 1966

Cruzeiro 1966

A conquista da Taça Brasil em 1966 foi um momento marcante na história do Cruzeiro. Após uma intensa campanha no Campeonato Mineiro de 1965 e uma participação destacada na Taça Brasil de 1966, o Cruzeiro encontrou-se em uma final histórica contra o Santos no dia 30 de novembro de 1966. No primeiro jogo da final, realizado no Mineirão, o Cruzeiro surpreendeu ao terminar o primeiro tempo com uma vantagem impressionante de 5 a 0. Apesar de uma reação parcial do Santos no segundo tempo, com dois gols, o Cruzeiro consolidou sua vitória com mais um gol, finalizando o jogo em 6 a 2. O segundo jogo, disputado no Pacaembu, em São Paulo, viu o Santos liderando por 2 a 0 ao fim do primeiro tempo, criando expectativas de uma revanche. No entanto, inspirados pelo técnico Ayrton Moreira e impulsionados pela confiança excessiva dos paulistas, o Cruzeiro reagiu brilhantemente. Apesar de Tostão ter perdido um pênalti, ele se redimiu marcando de falta. Logo após, Dirceu Lopes empatou e, nos minutos finais, Natal garantiu a vitória e o título para o Cruzeiro.

Esse triunfo teve um impacto tão significativo que, no ano seguinte, o Torneio Rio-São Paulo foi expandido para incluir clubes de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, dando origem ao Torneio Roberto Gomes Pedrosa, precursor do atual Campeonato Brasileiro. Em 1967, o Cruzeiro marcou sua estreia internacional oficial com uma vitória sobre o Deportivo Galicia, da Venezuela, em Caracas.

Esse período também viu o surgimento dos primeiros grandes ídolos do clube, como Tostão, Dirceu Lopes, Piazza e Raul Plassmann. Em 1966, Tostão tornou-se o primeiro jogador de um clube mineiro a participar de uma Copa do Mundo, e em 1970, quatro jogadores do Cruzeiro integraram a seleção brasileira campeã mundial.

Década de 70

A década de 70 foi marcada pela conquista da América. Em 1976, o Cruzeiro obteve seu primeiro título da Taça Libertadores da América, enfrentando o River Plate da Argentina. Após uma vitória expressiva no Mineirão e uma derrota em Buenos Aires, a decisão ocorreu em Santiago, Chile. O Cruzeiro saiu na frente, mas o River empatou com ajuda da arbitragem e da tradicional catimba argentina. No fim, Nelinho preparou-se para cobrar uma falta, mas Joãozinho foi mais rápido e marcou, garantindo o título ao Cruzeiro.

Nos anos 70, para evitar déficits financeiros, o Cruzeiro realizou amistosos internacionais, garantindo recursos para manter seu elenco e conquistar o tetracampeonato estadual de 1972 a 1975. Em 1977, conquistou seu décimo título mineiro na Era Mineirão.

A década de 80 foi um período difícil, com crises financeiras e poucos títulos. Porém, a venda de jogadores e as cotas de transmissão televisiva ajudaram a reerguer o clube.

Décadas de 90 e 2000

Já nas décadas de 90 e 2000, o Cruzeiro viveu um período de grande sucesso, conquistando diversos títulos nacionais e internacionais, incluindo duas Supercopas da Libertadores e quatro Copas do Brasil. O clube também foi bicampeão brasileiro consecutivo em 2003 e 2004.

Ronaldo Compra o Cruzeiro

Cruzeiro comprado por ronaldo

Em 2019, após uma série de problemas administrativos e financeiros, o Cruzeiro foi rebaixado pela primeira vez em sua história no Campeonato Brasileiro. No entanto, a década de 2020 começou com esperança, especialmente com a aquisição da SAF do clube por Ronaldo Nazário. Sob a nova gestão, o Cruzeiro conseguiu o acesso à Série A em 2023, demonstrando sinais de recuperação e um futuro promissor. Esse foi um marco na história do Cruzeiro.

Hino

O hino oficial do Cruzeiro, uma criação emblemática de Jadir Ambrósio, nasceu em 1965, fruto de sua participação em um concurso promovido pela Rádio Inconfidência. Naquele período, sob a liderança do presidente Felício Brandi, a diretoria do Cruzeiro lançou um chamado aos compositores mineiros para elaborarem um hino que representasse o clube celeste, que até então não possuía tal peça musical.

Jadir Ambrósio emergiu como o vencedor deste concurso, e sua obra, intitulada “Hino ao Campeão”, foi apresentada ao público pela primeira vez no programa “Roteiro das Duas”, conduzido pelo radialista Aldair Pinto. A composição de Ambrósio, dedicada ao seu time do coração, rapidamente se tornou um símbolo querido e reconhecido pelos torcedores do Cruzeiro.

O Mascote na História do Cruzeiro

Cruzeiro Mascote

A figura da raposa, escolhida como mascote do Cruzeiro, foi criada em 1945 pelo renomado chargista Fernando Pieruccetti, conhecido pelo apelido de Mangabeira. A inspiração para a escolha da raposa veio da personalidade de Mário Grosso, um ex-presidente do clube, famoso por sua sagacidade e habilidade no gerenciamento dos negócios do clube. Ademais, a escolha da raposa também carrega uma conotação simbólica, já que este animal é conhecido por se alimentar de aves, numa alusão sutil ao Atlético Mineiro, principal rival do Cruzeiro, cujo mascote é um galo.

A Camisa

O uniforme inicial do Palestra Itália era marcado por uma camisa de tonalidade verde, adornada com detalhes em vermelho nas extremidades das mangas e um distintivo no peito, composto pelas iniciais “PI” entrelaçadas em um losango verde e vermelho sobre um fundo branco, complementado por calções brancos e meias verdes. No período entre 1922 e 1927, o clube adotou uma camisa de um verde mais suave, além de realizar alterações em seu logotipo. Esta tendência evoluiu para um verde ainda mais claro nas camisas usadas de 1928 a 1939, um tempo em que a Ala Renovadora já buscava mudar o nome do clube, dado que ele não era mais uma associação exclusivamente italiana.

Durante os anos de 1940 a 1942, o Palestra vestiu seus últimos uniformes com a influência italiana, optando por um design inovador com uma camisa verde com faixas horizontais brancas e vermelho escuro. Esta combinação de cores rendeu ao clube o apelido de tricolor.

A transformação

Cruzeiro camisa

Em 1942, o clube sofreu uma transformação significativa devido às restrições impostas pelo Governo Brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, que proibia referências aos países do Eixo, incluindo a Itália. Assim, o time adotou temporariamente o nome Ypiranga e um uniforme azul com listras brancas. Em outubro do mesmo ano, uma assembleia decidiu que o clube seria rebatizado como Cruzeiro Esporte Clube, adotando um uniforme totalmente azul com golas e punhos brancos, calção branco e meias brancas, exibindo no peito a constelação do Cruzeiro do Sul, um símbolo nacional brasileiro.

Na década de 50, o Cruzeiro introduziu um uniforme branco, com calção azul e meias brancas, especialmente para jogos noturnos, facilitando a identificação dos jogadores nos estádios pouco iluminados da época. Em 1956, o clube inovou com uma camisa listrada horizontalmente em azul e branco. No entanto, foi em 1959 que o Cruzeiro consolidou o uso da camisa totalmente azul apenas com estrelas como escudo, design que se tornou icônico e influenciou grandes fases do time nas décadas de 60 e 70.

Inclusão de patrocinadores na Camisa

Com o passar dos anos, poucas mudanças foram feitas no uniforme principal do Cruzeiro, exceto pela inclusão de patrocinadores nos anos 80 e por designs mais ousados e geométricos nos anos 90. Exemplo disso é a camisa azul detalhada usada de 1992 a 1996, e a camisa branca com variações de azul produzida pela Finta em 1996. Em 1997, ano de mais uma conquista da Libertadores, o uniforme ganhou mais estrelas e o retorno das golas brancas. Já em 1998, o clube começou a usar o escudo no lugar das estrelas no peito, um padrão que persistiria a partir dos anos 2000, época marcada pela Tríplice Coroa do Cruzeiro.

Desde então, o Cruzeiro manteve a tradição em seus uniformes principais, reservando a inovação para os terceiros uniformes, que ocasionalmente apresentam cores como

Futebol Feminino no Cruzeiro

Cruzeiro Feminino

Em 2019, o Cruzeiro marcou um novo capítulo em sua história com a formação de sua primeira equipe de futebol feminino. Esta iniciativa veio como resposta às novas diretrizes estabelecidas pela Conmebol e CBF, que buscavam estimular o desenvolvimento do futebol feminino no Brasil. De acordo com essas normativas, os clubes eram obrigados a criar um departamento dedicado ao futebol feminino, podendo ser através de parcerias com equipes já existentes, como condição para participação em competições masculinas importantes, como a Libertadores.

Em seu ano de estreia, a equipe feminina do Cruzeiro demonstrou um desempenho notável, alcançando o vice-campeonato no Brasileirão Feminino – Série A2. Além disso, elas conquistaram o Campeonato Mineiro Feminino, garantindo seu primeiro título na modalidade e estabelecendo um marco importante para o clube na história do futebol feminino.

Torcida na História do Cruzeiro

Cruzeiro torcida

A torcida do Cruzeiro, amplamente conhecida como Nação Azul ou China Azul, se destaca por sua vasta presença e crescente popularidade ao longo das últimas décadas. Interessantemente, o apelido “China Azul” foi cunhado pelo escritor atleticano Roberto Drummond, que em um de seus artigos, reconheceu e previu a expansão e a futura hegemonia dos torcedores cruzeirenses em Belo Horizonte, Minas Gerais e no Brasil. Essa previsão tem se confirmado, conforme indicam as pesquisas de institutos renomados como Ibope, Datafolha e Vox Populi, que mostram a torcida do Cruzeiro quase dobrando em número em comparação ao seu rival Atlético Mineiro.

O Cruzeiro conta com aproximadamente 8,5 milhões de torcedores espalhados pelo Brasil, representando cerca de 4,5% da população nacional. Sua torcida é a maior fora do eixo Rio-São Paulo e a mais popular em Minas Gerais, tanto na Região Metropolitana de Belo Horizonte quanto no interior do estado.

Tamanho das torcidas Cruzeiro e Altetico MG

Um retrato histórico do tamanho das torcidas em Belo Horizonte pode ser visto em uma enquete publicada pelo jornal Estado de Minas em 26 de março de 1931. Com mais de 800 votos contabilizados, os resultados mostravam Atlético com 46,2%, Cruzeiro (então Palestra) com 35,9%, e América com 10,8%.

Em 1971, uma pesquisa da revista Placar, realizada pelo Instituto Gallup em Belo Horizonte, já sinalizava uma mudança na liderança das maiores torcidas da cidade: Atlético com 43%, Cruzeiro com 42%, e América com 5%. Notavelmente, entre jovens de 10 a 17 anos, o Cruzeiro já era o preferido, liderando com 46% contra 44% do Atlético.

Uma pesquisa publicada pelo jornal Estado de Minas em 10 de dezembro de 2004 reforçou essa tendência, apontando a torcida do Cruzeiro como a maior de Belo Horizonte, com 48% da preferência. Pesquisas do Ibope mostraram que, em 1998, 26% dos mineiros torciam para o Cruzeiro e 16% para o Atlético, enquanto em 2004, esses números subiram para 32,8% e 16,9%, respectivamente. Em 2009, um levantamento da Datafolha indicou que 31% dos mineiros apoiavam o Cruzeiro, contra 15% do Atlético.

Estrutura na História do Cruzeiro

Cruzeirotoca da raposa

O Cruzeiro Esporte Clube se orgulha de possuir um dos complexos estruturais mais avançados e modernos de Minas Gerais, destacando-se também entre os melhores do Brasil e da América Latina. Com menos de um século de existência, o clube conta com duas instalações de treinamento – uma destinada aos jogadores profissionais e outra às categorias de base –, além de uma sede administrativa e complexos esportivos, incluindo sedes urbanas e campestres.

Toca da Raposa I

A Toca da Raposa I, inaugurada durante a gestão de Felício Brandi e utilizada até 2002 como centro de treinamento da equipe principal, hoje é dedicada exclusivamente às divisões de base. Com uma área de 60 mil metros quadrados, foi o primeiro centro de treinamento do Brasil projetado especificamente para um time de futebol, estreando em 1973. Este local também foi escolhido pela Seleção Brasileira para sua preparação nas Copas do Mundo de 1982 e 1986, graças à sua infraestrutura moderna e completa.

As instalações incluem quatro campos de treino, um deles com grama sintética, piscina, academia, departamentos médico e odontológico, nutrição, escritórios administrativos, biblioteca, refeitório, auditório, sala de vídeo, alojamentos, vestiários e até um hotel para programas de intercâmbio, além de uma escola que oferece ensino fundamental e médio para os atletas.

Toca da Raposa II

A Toca da Raposa II, aberta em 2002, é voltada para o time profissional e é considerada uma das mais sofisticadas instalações de futebol do mundo. O espaço, que abrange 83 mil metros quadrados, dispõe de quatro campos oficiais, dois deles com as mesmas dimensões do gramado do Mineirão. Além disso, conta com piscina térmica, quadra poliesportiva, restaurante, hotel, salão de jogos, sala de cinema e escritórios administrativos, além de departamentos médico e de nutrição altamente equipados.

Sede Administrativa

A Sede Administrativa do Cruzeiro, localizada perto do Parque Esportivo do Barro Preto, é um edifício moderno e funcional, abrigando departamentos essenciais como jurídico, marketing, comercial, tecnologia da informação, secretaria, administração e patrimônio, além da presidência.

O Parque Esportivo Barro Preto, um local histórico onde o Cruzeiro conquistou seus primeiros títulos, oferece aos sócios uma gama de facilidades, incluindo piscinas, quadras, ginásio poliesportivo e espaços para eventos.

Sede Pampulha

Cruzeiro Pampulha

A Sede Pampulha, situada em uma área de mais de 60 mil metros quadrados, proporciona lazer com piscinas, quadras esportivas, espaços para eventos e muito mais, tornando-se um local de entretenimento completo para os sócios.

Essas instalações refletem não apenas o sucesso esportivo do Cruzeiro, mas também seu compromisso com a excelência em todas as áreas, proporcionando aos atletas, funcionários e sócios as melhores condições possíveis.

 Conclusão 

O Cruzeiro Esporte Clube, um dos grandes nomes do futebol brasileiro, destaca-se pela sua rica história e conquistas significativas. Desde a sua fundação em 1921, o clube tem demonstrado um compromisso inabalável com a excelência no esporte, conquistando títulos importantes tanto no cenário nacional quanto internacional. Com uma torcida apaixonada e vasta, conhecida como Nação Azul, o Cruzeiro se estabeleceu como um símbolo de orgulho e tradição em Minas Gerais e em todo o Brasil. Suas instalações modernas, como as Tocas da Raposa I e II, refletem o investimento constante na formação de atletas e na melhoria das condições de treino. A inclusão de uma equipe feminina em 2019 demonstra também a preocupação do clube com a evolução e o crescimento do futebol em diferentes frentes. O Cruzeiro, com sua história de triunfos e superação, continua sendo um dos pilares do futebol brasileiro, inspirando gerações de torcedores e atletas com seu legado de paixão, determinação e sucesso.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui