A história do Flamengo

O Flamengo, uma importante instituição poliesportiva sediada no Rio de Janeiro, é amplamente conhecido por seus apelidos como Fla, Mengo e Mengão. Originário do bairro Flamengo e fundado em 17 de novembro de 1895 inicialmente para o remo, o clube se destacou grandemente no cenário esportivo brasileiro, em especial no futebol. Seus símbolos são as cores vermelho e preto, e seus principais adversários incluem o Vasco da Gama, o Fluminense e o Botafogo.

No futebol, o Flamengo tem um histórico notável, sendo o único time carioca a conquistar a Copa Intercontinental, reconhecida pela FIFA, e vencedor por três vezes da Copa Libertadores da América (1981, 2019, 2022). Além disso, conquistou outros títulos internacionais, como a Recopa Sul-Americana, Copa Mercosul e Copa de Ouro Nicolás Leoz. No âmbito nacional, o Flamengo possui sete títulos do Campeonato Brasileiro, quatro da Copa do Brasil, duas Supercopas do Brasil e uma Copa dos Campeões. Regionalmente, detém um Torneio Rio-São Paulo, uma Taça dos Campeões Estaduais Rio–São Paulo e trinta e sete títulos do Campeonato Carioca, além de vinte e três Taça Guanabara.

O Flamengo é reconhecido por ser uma potência em termos de títulos nacionais e internacionais, ocupando posições de destaque em vários rankings. É o time com mais participações no Campeonato Brasileiro desde 1971 e o primeiro clube brasileiro a conquistar todos os títulos nacionais e internacionais possíveis. Além disso, foi eleito o nono maior clube de futebol do século XX pela FIFA, e em 2019, foi considerado o melhor time da América do Sul e o quarto melhor do mundo pela IFFHS.

Em outras modalidades esportivas, como remo, polo aquático e basquetebol, o Flamengo também é uma referência. A equipe de basquetebol masculino, por exemplo, conquistou inúmeros títulos estaduais, nacionais e internacionais, incluindo a Liga das Américas e a Champions League Américas.

Finalmente, o Flamengo se destaca pela sua imensa popularidade, possuindo a maior torcida do Brasil e uma das maiores do mundo. Este apoio massivo se reflete na força financeira do clube, tornando-o o mais valioso do Brasil e um dos mais valiosos da América do Sul.

Como tudo começou

A história do Flamengo inicio

No final do século XIX, o remo era o esporte dominante no Rio de Janeiro, enquanto o futebol começava a emergir. Embora o futebol começasse a ser introduzido em alguns clubes, era encarado com certa reserva pela sociedade carioca. A ideia de formar um grupo para competir em remo surgiu entre jovens do bairro Flamengo, reunidos no Café Lamas, no Largo do Machado.

Figuras como Nestor de Barros, José Agostinho Pereira da Cunha e outros compraram e reformaram um barco chamado “Pherusa”. Em 6 de outubro de 1895, o grupo partiu da Ponta do Caju rumo à Praia do Flamengo, mas enfrentou condições climáticas adversas que causaram o naufrágio do barco. Após o incidente, iniciaram a reforma de outra embarcação, a “Scyra”.

Na noite de 17 de novembro de 1895, em uma reunião na casa de Nestor de Barros, foi fundado o Grupo de Regatas do Flamengo, elegendo sua primeira diretoria. O clube, inicialmente com as cores azul e ouro, mudou para vermelho e preto em 1898, por proposta de Nestor de Barros.

O Flamengo começou a se destacar em competições náuticas, conquistando sua primeira vitória na I Regata do Campeonato Náutico do Brasil em 1898. Em 1902, o clube se transformou no Clube de Regatas do Flamengo, marcando também o início da prática do futebol pelos atletas do clube.

Em 1927, o Flamengo foi eleito o “clube mais querido do Brasil” em um concurso promovido pela água mineral Salutaris e pelo Jornal do Brasil, recebendo a Taça Salutaris. Além disso, a popularidade do clube se expandiu durante a Segunda Guerra Mundial, com a transmissão de jogos pelo rádio para o Norte e Nordeste do país.

Com o futebol ganhando popularidade, membros do Flamengo tornaram-se associados também do Fluminense, e vice-versa, para acompanhar ambos os esportes. Em 1911, após uma cisão no Fluminense, muitos jogadores se juntaram ao Flamengo, levando à criação de um departamento de esportes terrestres sob a direção de Alberto Borgerth. Isso solidificou a presença do futebol no Flamengo, consolidando sua história como um dos principais clubes do Brasil.

Escudo

O distintivo do Flamengo sofreu algumas variações ao longo dos anos, especialmente no design do monograma entrelaçado de letras. O mais recente ajuste neste design foi apresentado em 2018.

O Flamengo adota três versões distintas de escudo para diferentes propósitos: o escudo completo funciona como o logotipo oficial do clube, um escudo especial é utilizado para as atividades de remo, incluindo uniformes e equipamentos, e o monograma “CRF” em branco é geralmente a única parte do escudo usada no uniforme principal de futebol.

Desde 1980, o clube incorporava ao seu escudo três estrelas brancas posicionadas verticalmente ao lado do monograma, simbolizando os três tricampeonatos estaduais conquistados (1942-43-44, 1953-54-55 e 1978-79-79 Especial). Com a Nike tornando-se a fornecedora de uniformes em 2000, o primeiro uniforme incluiu o escudo completo com as três estrelas acima dele. Após o tetracampeonato estadual (1999-2000-2001) e em comemoração aos 20 anos da Copa Libertadores e da Copa Intercontinental de 1981, uma quarta estrela branca e uma estrela dourada foram adicionadas acima do escudo. Desde 2005, o Flamengo optou por usar apenas a estrela dourada acima do monograma “CRF” em suas camisetas

Uniforme

Na fundação do Flamengo em 1895, as cores oficiais escolhidas foram azul e dourado, representando o céu carioca e as riquezas do Brasil. O time inicialmente usou um uniforme com listras horizontais nessas cores. Contudo, após um ano sem vitórias nas regatas e considerando as cores como azaradas, além do alto custo do tecido importado, o clube adotou as atuais cores vermelho e preto.

Em 1912, o time de futebol, a pedido da equipe de remo, estreou camisas quadriculadas vermelhas e pretas, apelidadas de “Papagaio de Vintém”, mas devido à associação com má sorte, esse design foi substituído no ano seguinte por um padrão listrado vermelho e preto, conhecido como “cobra coral”. Este foi o uniforme usado na conquista do primeiro Campeonato Carioca em 1914. Em 1916, as faixas brancas foram removidas para evitar semelhança com a bandeira alemã, e assim surgiu o tradicional uniforme do Flamengo.

Em 1938, o técnico Dori Kruschner propôs um segundo uniforme branco para melhor visibilidade em jogos noturnos, iniciando a prática de uniformes secundários no Brasil. O design branco com duas listras no peito perdurou até 1979, quando foi simplificado com listras apenas nas mangas, usado na conquista da Copa Intercontinental de 1981.

Nos anos 90, o Flamengo passou a variar seus uniformes secundários e terciários, utilizando camisas pretas ou vermelhas. Em 1995, para celebrar o centenário do clube, a camisa “Papagaio de Vintém” foi revivida em amistosos. Em 2010, a Olympikus lançou um uniforme alternativo azul e dourado, remetendo às cores originais, mas a recepção dos torcedores foi mista. Em 2009, a equipe chegou a usar um uniforme sem patrocínio, algo não visto há 25 anos. Atualmente, o Flamengo mantém a tradição de usar camisas listradas vermelhas e pretas com shorts brancos como seu uniforme principal.

Mascote

Originalmente, na década de 1940, o mascote do Flamengo era o marinheiro Popeye, personagem de quadrinhos e, posteriormente, de desenhos animados. A escolha foi inspirada pela força e persistência do Flamengo, características associadas ao Popeye, além de sua ligação com o mar. Contudo, essa figura nunca alcançou grande popularidade entre os torcedores do clube.

Nos anos 1960, adversários começaram a referir-se aos torcedores do Flamengo como “urubus”, em uma referência racista aos muitos fãs afrodescendentes e de classes menos favorecidas do clube. Esse apelido inicialmente era rejeitado pela torcida, até um evento marcante no dia 31 de maio de 1969, durante um jogo contra o Botafogo. Um torcedor levou um urubu ao estádio, soltando-o com uma bandeira do Flamengo. A vitória do Flamengo nesse jogo, após quatro anos sem vencer o Botafogo, ajudou a transformar o urubu em um símbolo positivo e um mascote querido pelos torcedores.

Posteriormente, o cartunista Henfil contribuiu para popularizar a imagem do urubu como mascote do Flamengo em suas charges. Em 2000, o clube oficializou o desenho do mascote e deu-lhe o nome “Samuca”, embora a torcida continue a chamá-lo simplesmente de “urubu”. Em 2008, foram introduzidos “Uruba” e “Urubinha”, que passaram a aparecer em jogos e eventos do Flamengo.

Hino

O Flamengo tem dois hinos. O hino oficial, o Hymno Rubro-Negro, foi criado em 1920 por Paulo Magalhães, ex-goleiro do clube, e gravado em 1932 por Castro Barbosa, com o refrão “Flamengo! Flamengo! Tua glória é lutar, Flamengo! Flamengo! Campeão de terra e mar”. O hino mais popular, com letra e música de Lamartine Babo, foi gravado pela primeira vez em 1945 por Gilberto Alves. Este hino é mais conhecido e celebra as conquistas do clube, destacando-se pelo refrão “Uma vez Flamengo, sempre Flamengo”.

Sedes e Estádios

A principal sede do Clube de Regatas do Flamengo, também referida como “Sede da Gávea” ou apenas “Gávea”, constitui o coração do clube. Neste local, os associados têm acesso a uma variedade de instalações, incluindo um parque aquático, quadras de tênis, um estádio de futebol, ginásios para basquete e vôlei, áreas de lazer infantil, restaurantes e espaços para eventos. Em 2011, o Museu do Flamengo foi inaugurado neste local.

Estádio da Rua Paysandu

Situado na rua homônima, no bairro do Flamengo, o estádio da Rua Paysandu era propriedade da Família Guinle. O Flamengo fez seu primeiro jogo nesse estádio em 31 de outubro de 1915, vencendo o Bangu por 5–1. A última partida no local ocorreu em 1932. Devido a dificuldades financeiras, o clube não conseguiu manter o terreno e disputou seu último jogo ali em 25 de setembro de 1925, ganhando por 5–0.

Estádio da Gávea

O Estádio da Gávea hospedou sua primeira partida oficial do Flamengo em 1938, uma derrota para o Vasco por 2–0. O último jogo oficial ocorreu em 1997, com uma vitória sobre o Americano por 3–0.

A sede na Lagoa, em frente à Lagoa Rodrigo de Freitas, é um ponto central do clube, abrigando as instalações sociais e administrativas. Além dos espaços de lazer e esportivos para os sócios, o local conta com ginásios dedicados a esportes olímpicos. O Ginásio Hélio Maurício, perto das quadras de tênis, é usado para o basquete, enquanto o Ginásio Togo Renan Soares, o Kanela, situado sob as arquibancadas do Estádio da Gávea, é destinado ao vôlei e ao futsal. A ginástica artística tem seu espaço no Ginásio Cláudio Coutinho, e a natação é praticada no Parque Aquático Fadel Fadel. O Estádio José Bastos Padilha, conhecido como Estádio da Gávea, antes usado para jogos menores do time de futebol, serve hoje principalmente para treinos. Do outro lado da rua, junto à Lagoa Rodrigo de Freitas, está localizada a base de treinamento de remo do clube.

Maracanã

O Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, é o palco principal dos jogos de futebol do Flamengo. O clube estreou no estádio com um triunfo de 3–1 sobre o Bangu em um amistoso. Em 1956, o Flamengo protagonizou a maior goleada já registrada no Maracanã, vencendo o São Cristóvão por 12–2. Após renovações feitas para os Jogos Pan-americanos de 2007, o estádio passou a ter uma capacidade aproximada de 92 mil espectadores. Entretanto, nem todos os ingressos são disponibilizados para venda devido a questões de segurança. O recorde de público no estádio, desde então, é de 87.795 pessoas, registrado em uma partida do Campeonato Brasileiro de 2007, na qual o Flamengo venceu o Atlético Paranaense por 2–0. Esse jogo foi crucial para a classificação do Flamengo para a Copa Libertadores da América de 2008.

Cessão da Administração ao Flamengo e Fluminense e a Formação da “Fla-Flu S.A.”

No dia 18 de março de 2019, o Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, anunciou a revogação da concessão do Maracanã, ou seja, o término dos contratos com o Consórcio Maracanã. Ele também informou que, inicialmente, o Estado administraria o estádio a pedido dos clubes, com uma nova licitação planejada para ocorrer em até dois meses.

Posteriormente, em 5 de abril de 2019, Flamengo e Fluminense, após submeterem uma proposta conjunta de gestão, foram selecionados pelo Governo do Rio para gerenciar o Maracanã por um período de seis meses. Para tal, os dois clubes constituíram a empresa “Fla-Flu S.A.”, criada especificamente para a administração do Maracanã e suas instalações.

CT Ninho do Urubu

O Centro de Treinamentos Ninho do Urubu é o local de treinamento da equipe de futebol do Flamengo. Localizado em Vargem Grande, o CT, embora ainda em fase de conclusão, já é utilizado pelo time principal e pelas categorias de base. Em 2011, iniciou-se a construção definitiva do CT, com a possibilidade dos torcedores acompanharem o progresso das obras através do site oficial do clube.

Arena de Beach Soccer Maestro Júnior

Situada dentro da sede da Gávea, a Arena de Beach Soccer Maestro Júnior foi inaugurada em 21 de julho de 2012 e é destinada às partidas de futebol de areia. O nome da arena é uma homenagem a Júnior, recordista de partidas pelo clube e que também se aventurou no futebol de areia após encerrar sua carreira nos campos

Confronto com o Vasco da Gama – Clássico dos Milhões

O “Clássico dos Milhões”, entre Flamengo e Vasco da Gama, é um dos duelos mais emblemáticos do futebol brasileiro e mundial, nascido na cidade do Rio de Janeiro. Originado na década de 1920, o nome faz alusão às grandes massas de torcedores dos dois clubes no estado do Rio de Janeiro. Inicialmente clubes de remo, Flamengo e Vasco começaram sua rivalidade no futebol com o primeiro jogo em 1923. Entre 1972 e 2001, este confronto se intensificou, tornando-se a principal rivalidade do Flamengo e uma das mais significativas do Brasil. Os jogos entre esses clubes foram palco de disputas entre grandes ídolos, como Zico do Flamengo e Roberto Dinamite do Vasco.

Disputa com o Fluminense – Fla-Flu

A rivalidade entre Flamengo e Fluminense começou em 1911, quando jogadores descontentes do Fluminense se transferiram para o Flamengo, fundando seu departamento de futebol. O primeiro Fla-Flu ocorreu em 1912, com vitória do Fluminense. Esses clubes, com 37 e 32 títulos cariocas respectivamente até 2022, são os mais bem-sucedidos no estadual. O Fla-Flu de 1963 no Maracanã atraiu um público recorde de 194.603 espectadores.

Competição com o Botafogo – Clássico da Rivalidade

O confronto entre Flamengo e Botafogo, conhecido como Clássico da Rivalidade, teve seu início em 1913. Ganhou destaque na década de 1960, especialmente após um jogo em 1969, quando torcedores do Flamengo reagiram aos cânticos racistas do Botafogo, introduzindo o urubu como mascote. Zico e Heleno de Freitas são os principais artilheiros do Flamengo e do Botafogo, respectivamente, neste clássico.

Rivalidade com o Atlético Mineiro

O Flamengo também tem uma rivalidade interestadual com o Atlético Mineiro, originada nos anos 1980 a partir de confrontos marcantes no Campeonato Brasileiro e na Copa Libertadores. Essa disputa manteve sua intensidade ao longo dos anos, sendo considerada uma das principais rivalidades interestaduais do futebol brasileiro.

Nação Rubro-Negra

Considerada a maior torcida do Brasil e possivelmente do mundo, a Nação Rubro-Negra, torcida do Flamengo, possui uma vasta presença em todas as regiões brasileiras, com maior número de adeptos no Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Estudos diversos indicam que o clube possui entre 33 e 40 milhões de torcedores no Brasil. De acordo com uma pesquisa do Ibope em parceria com o jornal Lance em 2014, o Flamengo lidera com 16,2% das preferências, superando clubes como Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Vasco. A pesquisa destacou que cerca de 80% dos torcedores do Flamengo não residem no Rio de Janeiro, seu estado de origem. No Rio, a torcida representa 48,2% da população, aproximadamente 7,9 milhões de pessoas. Em 2012, uma pesquisa da agência Gerardo Molina-Euromericas classificou o Flamengo como a equipe com a maior base de torcedores do mundo.

O Datafolha aponta o Flamengo como o time mais popular nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte, e o segundo mais popular no Sudeste, atrás apenas do Corinthians, e o quarto no Sul do Brasil. Apesar de não ser o clube com mais torcedores no Sudeste e Sul, o Flamengo é bastante popular em estados como Santa Catarina, Espírito Santo e Minas Gerais. Algumas críticas apontam que a contagem de torcedores do Flamengo inclui muitos “simpatizantes” ou torcedores de segunda opção, mas uma pesquisa do IBOPE Repucom em 2019 indicou que apenas 19% dos torcedores do Flamengo se enquadram nessa categoria.

A Nação Rubro-Negra detém recordes de público no Campeonato Brasileiro, com a maior média geral em jogos e participação em 103 dos 244 maiores públicos já registrados no futebol brasileiro. No Brasileirão, a torcida esteve presente em 6 dos 10 maiores públicos, incluindo o recorde de público em uma partida contra o Santos em 1983, com 155.523 pessoas no Maracanã.

Em homenagem à sua torcida, o Flamengo aposentou a camisa número 12 em 2007, uma ideia proposta pelo conselheiro Reginaldo Beltrão e aceita pelo presidente Márcio Braga. Além disso, em 1979, foi fundada a Fla-Gay, a primeira torcida de gênero do Brasil.

A “Paixão Cega” é uma campanha do clube que busca estimular a presença de deficientes visuais nos jogos. Lançada em 2016, a iniciativa promove encontros entre torcedores com e sem deficiência visual, garantindo a gratuidade para cegos e seus acompanhantes em eventos esportivos e culturais no Rio de Janeiro. A campanha conquistou o prêmio Leão de Prata no Festival Cannes Lions 2019.

As Embaixadas da Nação Rubro-Negra são movimentos espontâneos de torcedores dentro e fora do Brasil. Recentemente, o Clube de Regatas do Flamengo começou a dar apoio institucional a essas manifestações, formalizando-as através de diplomas emitidos pelo clube.

Treinadores marcantes:

  • Andrade, que assumiu interinamente em 2009 e foi efetivado, liderou o time à conquista do Campeonato Brasileiro daquele ano, quebrando um jejum de 17 anos sem o título.
  • Carlinhos, apelidado de “Violino”, teve um papel duplo no clube, primeiramente como jogador e depois como técnico, com destaque para os títulos Cariocas de 1991, 1999 e 2000, além do Brasileiro de 1992 e da Copa Mercosul de 1999.
  • Carlos Alberto Torres teve duas breves passagens pelo Flamengo, conquistando o Brasileiro de 1983 e ajudando a evitar o rebaixamento em 2001.
  • Cláudio Coutinho, conhecido pelas suas inovações táticas, foi o responsável pelo time campeão mundial de 1981.
  • Izidor “Dori” Kürschner, técnico húngaro, trouxe novidades táticas ao futebol brasileiro durante sua gestão no Flamengo em 1937-38.
  • Dorival Júnior, em 2022, levou o clube à vitória na Copa do Brasil e na Copa Libertadores, destacando o atacante Pedro.
  • Fleitas Solich, que comandou o Flamengo em 504 jogos, conquistou o segundo Tricampeonato Carioca e outros títulos.
  • Jayme de Almeida, efetivado em 2013, conquistou a Copa do Brasil daquele ano.
  • Jair Pereira, campeão da Copa do Brasil em 1990.
  • Joel Santana, conhecido pelo estilo defensivo, teve várias passagens pelo clube, com destaque para o Carioca invicto de 1996 e outros títulos.
  • Jorge Jesus, em um curto período, conquistou a Copa Libertadores e o Brasileiro de 2019, além de outros títulos em 2020.
  • Ney Franco, comandou o time na conquista da Copa do Brasil de 2006 e do Carioca de 2007.
  • Paulo César Carpegiani, após se aposentar como jogador, treinou o Flamengo nas conquistas da Libertadores e da Copa Intercontinental de 1981, além de outros títulos.
  • Rogério Ceni, conquistou o Brasileiro de 2020 e a Supercopa do Brasil de 2021.
  • Zagallo, ícone mundial do futebol, foi treinador do Flamengo em várias ocasiões, conquistando títulos como os Cariocas de 1972 e 2001 e a Copa dos Campeões de 2001.

Marca e Valor de Mercado

Desde 2014, o Flamengo tem se destacado como o detentor da marca mais valiosa do futebol brasileiro. Em 2016, a BDO RCS Auditores Independentes, em sua nona edição do estudo “Valor das Marcas dos Clubes Brasileiros”, apontou que a marca “Flamengo” liderava em valor, estimado em 1,43 bilhão de reais, ultrapassando o Corinthians, com 1,42 bilhão, e o Palmeiras, avaliado em 1,02 bilhão.

Em janeiro de 2019, o Flamengo alcançou um marco significativo ao ser reconhecido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) como uma marca de “Alto Renome”. Esse reconhecimento não apenas aumentou o valor jurídico e econômico da marca, mas também proporcionou um tratamento jurídico especial. Com esse status, a marca “Flamengo” passou a gozar de proteções legais ampliadas em casos de disputas de marcas em qualquer contexto, além de impor penalidades mais severas em situações de infração.

Flamengo  feminino

O Flamengo possui uma equipe feminina de futebol que vem ganhando destaque e reconhecimento no cenário esportivo. A equipe feminina do Flamengo, assim como a masculina, tem uma história rica e está envolvida em diversas competições, tanto em nível estadual quanto nacional.

O time feminino do Flamengo tem participado ativamente do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino e do Campeonato Carioca de Futebol Feminino, demonstrando competência e habilidade em ambos os torneios. Ao longo dos anos, a equipe tem conquistado importantes vitórias e títulos, contribuindo para o aumento da visibilidade e do interesse pelo futebol feminino no Brasil.

Além de sua performance nos campos, a equipe do Flamengo feminino tem desempenhado um papel fundamental na promoção da igualdade de gênero e no incentivo à participação das mulheres no esporte. O clube tem se dedicado a desenvolver a infraestrutura e o apoio necessários para assegurar que as jogadoras tenham as melhores condições possíveis para treinar e competir.

O Flamengo também tem investido na formação de novos talentos, com categorias de base dedicadas ao futebol feminino, o que demonstra o compromisso do clube com o crescimento e a sustentabilidade do esporte feminino a longo prazo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui